Olá leitores! Em plena época de festas, hoje trago a indicação de um livro pra quem quer começar 2018 bem consigo mesmo e com as pessoas ao seu redor: Seja Livre, do Fábio Viccent. Mesmo sendo de um gênero que não me prende muito (auto-ajuda), a obra me surpreendeu com algumas passagens e reflexões muito bem expressadas. Leiam a resenha para mais detalhes :) 






Nome: Seja Livre
Autora: Fábio Viccent
Ano: 2017
Páginas: 100
Editora: Sinna
Onde EncontrarSkoob / Loja da Sinna (10/01/2018)
Classificação★★★★☆  (3,8/5,0)
Sinopse: Você cairá ao chão algumas vezes, mas permanecer nele será sua opção. A vida não será boa o tempo todo, haverá perdas, fracassos, você verá seus planos indo por água abaixo, encontrará pessoas capazes de fazê-lo desistir, mas revigore suas forças, seja seu maior torcedor e enxergue o brilho que há em você. Liberte-se das mágoas, do ódio, das pessoas que não lhe fazem bem, seja o que quiser. Seja livre.



 Sabe aqueles momentos em que nos sentimos desprotegidos, despreparados, pequenos diante da vastidão do mundo? Então, é para essas ocasiões que recomendo "Seja Livre". Entre poemas, conselhos e uma escrita poeticamente impecável, Fábio Viccent nos entrega reflexões que vão muito além do superficial - reflexões que conversam com o nosso íntimo sem nem mesmo percebermos. Antes de iniciar a leitura, é bom você se perguntar: que tal ter uma conversa comigo mesmo?


Tudo pode ser resolvido com palavras. As letras podem parecer inofensivas, porém carregam consigo armas capazes de trazer um sorriso á face da pessoa mais triste do mundo, ou até mesmo de proporcionar um abraço. - Wesley Mendonça (prefácio)

 A primeira coisa que me surpreendeu em todo o livro foi a escrita do autor. A facilidade com que ele escolheu as palavras certas para expressar sentimentos complexos foi crucial para uma leitura proveitosa. Se no começo esperei algo parecido com os textos do Augusto Cury, dos quais não guardo boas lembranças, no decorrer da leitura me vi preso entre palavras e poemas que abriram um buraco no muro que me separa do meu eu interior.

"É melhor sentir todos os tipos de sentimentos, do que não sentir nada."

 É claro que alguns clichês não poderiam faltar. Mas, na maioria dos casos, Fabio Viccent foi pontual na hora de expressa-los. Ele pegou idéias fáceis como "ame a si mesmo" e as vestiu com uma nova roupagem de palavras, apresentando ao leitor um caminho mais direto ás reflexões que tais idéias irão gerar.

"Ame a escuridão para que possa transforma-la em luz..."

 Mas atenção: este não é um livro que eu recomende para qualquer momento. Qualquer leitor? sim, afinal somos todos humanos! Mas, para uma melhor leitura, você precisa pega-lo quando realmente estiver aceitando uma ajudinha de si mesmo(a). Ter o livro em sua cabeceira para todas as noites seguintes é um ótimo investimento - dicas valiosas são sempre bem vindas. E, quando você se sentir do jeito que falei no começo da resenha, ele e suas 100 páginas darão o abraço que você nem sabia precisar.


"Entregue-se apenas no dia em que morrer."

Comentário Final: No geral, gostei bastante de Seja Livre. Foi, sem dúvidas, a leitura mais proveitosa que tive dentro do gênero. Já posso dizer que sou Expert em auto-ajuda? não, mas esse é definitivamente um grande passo que dou na direção certa. A editora Sinna fez, novamente, um trabalho exemplar na revisão do livro, não deixando um único erro para ser criticado. Notei algumas repetições nos textos que me irritaram um pouco, como os mesmos assuntos abordados de formas diferentes, e isso acabou por quebrar meu ritmo de leitura em vários momentos. Mas, no fim de tudo, a escrita do autor me convenceu a acreditar no livro e em suas valiosas palavras. Recomendo! 


11 Comentários

  1. Primeiro queria entender porque não guarda boas lembranças dos livros do Augusto Cury? Tenho uma ótima opinião formada aos livros dele.
    Segundo, quero parabeniza-lo pela desenvoltura do seu texto, que foi bem compreensível, não deixou de destacar pontos primordiais, que ativaram a minha curiosidade a conhecer á obra. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!
      Então, ainda não tive uma experiência boa com o Augusto. Tudo o que li dele me pareceu bastante superficial. Planejo insistir e ver se consigo me encontrar em seus outros milhões de livros!

      Abraço!

      Excluir
  2. Gostei da resenha, muito bem escrita, a forma com auê vc escreve faz com que a gente sinta vontade de ler, parabéns

    ResponderExcluir
  3. Não sou muito fã de livros de autoajuda, mas com sua resenha me senti motivada a ler ou ao menos tentar saber mais sobre a obra, na sua escrita pude perceber que você coloca a obra de Fábio Viccent, sendo melhor que as produzidas por Augusto Cury, no caso não posso opinar, mas fiquei intrigada,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha que bom que gostou, Auridiane! Super recomendo a leitura :)

      Excluir
  4. Hey
    Adorei sua resenha!
    Nunca li nenhum livro do augusto Cury mas sempre ouço falar muito bem ! Confesso que já tive vontade de ler alguns ...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Espero que leia e goste da leitura :)

      Excluir
  5. Eu só li livro de auto-ajuda do Augusto Cury e fiquei feliz de ver que você citou ele 😂. Confesso que não sou fã desse gênero mas posso tentar ler esse livro. Amei a capa e parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha se quiser, recomendo que procure outros do gênero! Alguns conseguem nos animar para ler mais desse gênero (caso de Seja livre!) :D

      Excluir